terça-feira, 30 de março de 2010

João Paulo Borges Coelho, Prémio Leya 2009










O que procura Hans Mahrenholz, um oficial alemão que se faz passar por empresário e jornalista inglês, nas ruas da Lourenço Marques de 1919, ainda no rescaldo da Grande Guerra?

E por que não assume a sua verdadeira identidade? E por que procura desesperadamente um mulato com nome grego e uma longa cicatriz? E como o pode ajudar um dos mais famosos jornalistas dessa cidade, um mestiço assimilado e carismático?
Hans Mahrenholz (ou Henry Miller) chega ao norte de Moçambique num zepelim e é largado de pára-quedas, sozinho, em plena selva, com a missão de se juntar ao contingente do general Lettow.
Consegue-o. Mas todo o resto da campanha militar é assombrada pela estação das chuvas, a floresta virgem, a malária e os confrontos com os exércitos inglês e português.
Quando chega a Lourenço Marques, Hans já não é o herói ingénuo e corajoso que se juntou a Lettow. É uma personagem misteriosa com uma missão misteriosa...

Com estas linhas se levanta uma ponta do véu que envolve toda a história do Olho de Herzog.
Quem é, o que é, onde está, é a trama que o autor leva por diante num grosso volume de quase quinhentas páginas que só se deixa de ler...quando acaba!
Paralelamente com a intriga está a Lourenço Marques de princípios do século passado, onde cafés e restaurantes são identificáveis pelo mais ínfimo pormenor o que revela a par do trabalho de romancista o investigador que João Paulo tem em si. Um romance que, quem viveu em Moçambique e por outro lado, quem queira conhecer um pouco da história das suas gentes e da sua cultura, dá a conhecer hábitos, costumes, culturas que pela força e pela intensidade não morrerão.

João Paulo Borges Coelho é um historiador e escritor moçambicano. Ensina História Contemporânea de Moçambique e da África Austral na Universidade Eduardo Mondlane em Moçambique.
Tem-se dedicado à investigação das guerras colonial e civil em Moçambique, tendo publicado vários textos académicos em Moçambique, Portugal, Reino Unido, Espanha e Canadá.


Sem comentários: